Carlos-barraza-logo-50

O que é a gestão intercultural e porque é importante?

Continue a ler para saber mais sobre a gestão intercultural e como esta pode beneficiá-lo.

o que é a gestão intercultural
Escrito por
Tabela de Conteúdos

O que é a gestão intercultural?

A administração intercultural tenta examinar explicitamente as interações dos funcionários marcadas pelas culturas nacionais e/ou diferentes culturas organizacionais.

Ao descrever e comparar os comportamentos característicos de uma cultura, os historiadores têm a ambição de reduzir mal-entendidos, a fim de contribuir para uma melhor colaboração e uma produtividade comercial ainda maior.

Neste contexto, a gestão intercultural é vista como uma gestão forma capaz de conhecer a existência de diferentes culturas, integrar os valores sobre os quais essas culturas no desempenho de diferentes funções comerciais e combinar a sensibilidade cultural com os imperativos estratégicos gerais.

Hanan Gouda

À medida que o mundo se interliga através das tecnologias, e a comunicação e colaboração interculturais sobem, as organizações enfrentam a oportunidade de gerir a diversidade.

A gestão intercultural tem consciência das diferenças que existem entre as diferentes pessoas e grupos, e fora dessas diferenças conjuga-as para trazer à tona os resultados desejados.

Especialmente as empresas internacionais têm de gerir adequadamente a diversidade cultural que é intrínseca ao seu ADN com competências assertivas de gestão intercultural.

Grupo de jovens colegas interculturais que se divertem no intervalo
Grupo de jovens financiadores interculturais em roupa formal

Porque é importante a gestão intercultural?

A importância da gestão intercultural vem do momento em que compreendemos que nem todos pensamos da mesma maneira. Mesmo quando somos do mesmo país, podemos ter valores diferentes incutidos em nós devido à nossa educação, ou à forma como crescemos e ao ambiente que conhecemos.

Se acrescentarmos a isso a possibilidade de muitas pessoas dentro da organização virem de outras culturas, então estamos diante de uma barreira onde não nos é permitido ir além da visão das pessoas que estão no comando. E isto pode tornar-se um problema muito sério.

Tenha em mente que o mais importante dentro de qualquer organização é criar um ambiente de trabalho onde todos se sintam parte importante do processo, compreendam os valores da empresa e cumpram o seu trabalho dia após dia para atingir o mesmo objectivo.

Este é mesmo um problema que muitas empresas podem experimentar quando migram das suas sedes na esperança de expandir os seus produtos ou serviços para um novo mercado. Este é um dos principais problemas por que não se posicionam fora da sua zona de conforto.

Tenha em mente que a gestão cultural não só funciona para compreender o que está dentro, mas também o que pode acontecer fora quando se lança um produto ou serviço a um novo público-alvo. Desta forma, evitamos gerar uma rejeição que poderia ser a nossa anulação.

E, no caso de direcionar seus objetivos para outro país, se você não for capaz de respeitar seus valores, aprimorar sua cultura e fundir-se com eles, o que você vai gerar é uma rejeição da população, porque eles não querem realmente sentir que devem se adaptar ao que você oferece, mas que você está se misturando com eles.

Vantagens da gestão intercultural

Para que possa compreender este conceito um pouco mais, falaremos de uma série de vantagens para a gestão intercultural que certamente o farão querer estabelecer a sua no mais curto espaço de tempo possível, caso não a tenha.

Preste atenção ao seguinte:

1. É um elemento chave para vencer a guerra de talentos.

Hoje em dia devemos ver as empresas pelo que elas são, uma vasta gama cultural e social, o que torna a guerra pelo talento cada vez mais complexa, tornando suficiente questionar o conhecimento das competências técnicas básicas.

Para o mercado, uma pessoa torna-se mais atractiva se tiver uma base cultural ampla e complexa.

Isto ajudá-lo-á a enfrentar os desafios da nova era, reconhecendo como uma necessidade de ter uma visão abrangente e global que criará a base para um desenvolvimento sustentado.

2. A diversidade é igual à inovação

Quando abraçamos a mudança, estamos também a abrir uma janela para a transformação e inovação.

O ambiente actual exige a redefinição de paradigmas, novas ideias, e locais de trabalho abertos onde a vantagem competitiva das empresas é reinventada.

É então onde encontramos outra vantagem da gestão intercultural, uma vez que quando as diferenças são aproveitadas, a colaboração entre equipas de trabalho é reforçada, abrindo a janela para alcançar soluções que não só são complexas, mas também inovadoras.

3. A diversidade acrescenta, não só divide

Quando as diferenças de perspectiva são abraçadas, podem levar ao desenvolvimento de ideias, ou soluções, fora da caixa.

Sabe-se que a diferença cultural pode causar conflitos, mas tudo pode ser salvo desde que as pessoas estejam unidas em direcção a um ponto comum.

A gestão intercultural procura concentrar-se na sinergia que pode ser gerada, em vez do que um par de diferenças pode diminuir.

O objectivo é mudar a perspectiva para um simples pensamento win-win-win.

Delegados interculturais

O que é a gestão intercultural numa empresa?

Com a globalização da economia, podemos encontrar resultados que se traduzem em efeitos importantes na organização interna das empresas.

E não só naquelas que são internacionalmente activas, mas também nas pequenas e médias empresas que operam nos mercados locais.

O que tudo isto conseguiu é que eles tiveram de fazer mudanças na sua estrutura organizacional, de modo a poderem adaptar-se às novas tendências globais.

Com este multiculturalismo que ocorre em muitas organizações, um grupo de fricções pode surgir no funcionamento interno devido às diferenças de valores que podem existir entre o pessoal e os gestores.

É aqui que encontramos a gestão intercultural, uma vez que tem sido adoptada como uma abordagem à gestão a fim de melhorar o entendimento entre os trabalhadores de uma empresa, independentemente da sua dimensão ou âmbito.

Como consequência directa disto, encontramo-nos com a promoção do que é a compreensão dos diferentes valores culturais, onde também são propostas soluções para as diferentes práticas e formas de trabalho que possam existir entre uma cultura, independentemente de onde se encontre, ou outra.

Agora que sabe o que é a gestão intercultural numa empresa, é importante que compreenda também que ela o pode ajudar no seu caminho para o sucesso.

É por isso que deve ter sempre em mente incluir, aceitar, e respeitar, em vez de impor e tentar mudar.

5 Competências de gestão intercultural

Como definimos no nosso artigo sobre competências interculturais, existem 5 competências de gestão que podem ajudar ao longo da gestão interculturais numa organização.

Mencionámos aqui brevemente as competências de gestão intercultural.

1. Falando várias línguas

Os gestores de nível superior devem conhecer mais do que uma língua, especialmente se estiverem num negócio internacional.

Sim, é bastante comum e confortável falar na língua materna, mas quando a empresa já tem uma presença em vários países, então é necessário para que uma comunicação intercultural eficaz seja capaz de ter um bom diálogo numa língua comum.

O inglês pode ser considerado uma língua de base para fazer negócios em todo o mundo, mas mesmo assim as empresas estão localizadas em todo o mundo, e por isso a língua será diferente.

Um gestor ou empresário melhora a sua competência intercultural ao falar línguas diferentes, especialmente quando lidam com a língua nativa dos seus clientes.

2. Mentalidade aberta

A gestão empresarial intercultural requer uma mentalidade aberta devido às diferenças que as culturas terão.

Os costumes e comportamentos variam de país para país, e as empresas têm de compreender que não podem impor plenamente as suas práticas em outras regiões.

Ter uma mentalidade aberta sobre como resolver problemas pode ajudar uma empresa a encontrar alternativas para melhorar as suas operações.

3. Empatia, tolerância e respeito

Ter as capacidades de gestão intercultural de empatia, tolerância e respeito ajudará os gestores a compreender como trabalhar com outras culturas.

É claro que os gestores empresariais preferirão empregados de topo, mas reconhecer as diferenças e respeitá-las criará um melhor ambiente para uma comunicação intercultural adequada.

4. Sensibilização Cultural

Quando uma unidade de negócios decide instalar-se no estrangeiro a partir da sua sede, deve estudar a cultura para onde vai.

O dia-a-dia da vida normal num país estrangeiro é onde as competências de gestão intercultural são melhoradas através da compreensão de como o sistema e a cultura funcionam.

À medida que mais tempo passa noutra cultura, especialmente se não falam a sua língua, as competências de comunicação intercultural são forçadas a ser melhoradas.

A estrutura linguística também descreveu a forma como a cultura é criada.

5. Pensamento crítico

Entre as capacidades de gestão intercultural, é necessário um pensamento crítico para ser capaz de identificar, avaliar, analisar e interpretar as situações que acontecem em torno de negócios internacionais.

O pensamento crítico pode apoiar uma competência intercultural que ajudará a tomar a decisão adequada num contexto internacional para uma melhor gestão transcultural.

Mais sobre Carreira Profissional.