Carlos-barraza-logo-50

5 Exemplos importantes de competências interculturais para trabalhar no estrangeiro

Cada dia mais e mais pessoas decidem emigrar e começar um negócio num país diferente das suas origens, cultura, costumes e sociedade.

É por isso que é importante saber quais são as 5 competências interculturais para trabalhar no estrangeiro.

Competências interculturais para trabalhar no estrangeiro
Escrito por

Tabela de Conteúdos

Por que é importante desenvolver competências interculturais?

Migrar para outros países nunca é fácil, mas às vezes é mais uma necessidade do que uma alternativa.

Há países onde a economia, a estabilidade social, a criminalidade, a educação e até mesmo a cultura não estão no seu melhor, por isso as pessoas tendem a procurar nações que oferecem melhores alternativas a este respeito.

Muitas das pessoas que desejam emigrar em busca de melhores oportunidades de vida, geralmente se preocupam com o idioma e se concentram em aprendê-lo fluentemente. No entanto, isto não é tudo.

Qualquer pessoa contratada para uma posição internacional deve assumir o desafio de aprender coisas novas a partir de uma variedade de perspectivas.

A recusa em fazê-lo pode significar falha ou incapacidade de adaptação, resultando em perdas financeiras ou outras.

Por outro lado, o desenvolvimento de certas habilidades interculturais pode ser benéfico em nível social, cultural e de trabalho, de modo que você não só será capaz de desempenhar adequadamente seu trabalho, mas também facilitará as relações interpessoais.

grupo de estudantes multiculturais sorridentes com laptop na universidade
empresários multiculturais apertando a mão no escritório

Quais são as vantagens de desenvolver competências interculturais?

Como uma pessoa decide sair de sua zona de conforto, e ir para a aventura, será quando essa pessoa também se colocará em novas situações onde aprenderá diferentes habilidades.

A internacionalização de uma pessoa trará desenvolvimento em vários aspectos da vida.

Quando se começa a desenvolver competências interculturais como línguas, empatia, pensamento crítico, flexibilitu e consciência cultural, esta pessoa também trabalhará no seu desenvolvimento pessoal e não apenas como um nível profissional.

Algumas vantagens importantes de desenvolver habilidades interculturais são que a pessoa será capaz de ver o mundo de diferentes pontos de vista e aprenderá que não existe uma verdade universal sobre como ver e viver a vida.

A diversidade será adotada a partir de diferentes aspectos, e a pessoa ganhará respeito por pessoas que se submetem a circunstâncias diferentes.

Uma pessoa que tem contato constante e aprende com outras culturas irá se enriquecer com experiências internacionais de como as pessoas também resolvem problemas em diferentes culturas.

5 Exemplos de Habilidades Interculturais

Estes são exemplos de competências interculturais que pode ter em conta se quiser continuar a desenvolver a sua carreira profissional no estrangeiro.

1. Falar línguas

É comum que a primeira coisa em que as pessoas que desejam emigrar pensem é falar a língua do país para o qual planejam viajar. Neste sentido, pode ser de maior benefício aprender idiomas como o inglês ou o espanhol, que dominam uma grande parte do território mundial.

A linguagem não é apenas uma forma de comunicação, é também uma ferramenta que rompe barreiras entre as pessoas, permitindo que a informação seja compartilhada fluentemente.

É também uma ferramenta de socialização que promove a participação daqueles que emigram nas atividades fundamentais do país, do trabalho à cultura, portanto a importância da comunicação intercultural.

2. Adaptabilidade e abertura

Aqueles que migram devem ter a mente aberta para assumir os desafios de começar em um país diferente, bem como a capacidade de se adaptar a todas as mudanças culturais, sociais e trabalhistas que isso implica.

Pode não ser fácil, mas é necessário quando se trata de fazer uma mudança de vida e de país.

Além disso, pode ser benéfico, tornando o processo mais fácil e menos traumático para o imigrante.

Obviamente, isto não significa que a pessoa que chega a um novo país para trabalhar deve aceitar tudo o que lhe é apresentado e adaptar-se a ele sem protestar, mas manter uma mente aberta aos novos costumes, tradições e formas de trabalho no local.

Aqueles que não estão dispostos e resistentes à mudança provavelmente não devem trabalhar no exterior, pois o processo pode ser complicado.

3. Empatia, tolerância e respeito

Grupo multicultural de colegas de trabalho

Empatia, tolerância e respeito são valores fundamentais em qualquer ser humano e ainda mais naqueles que desejam trabalhar no exterior, principalmente porque nem todos acham fácil receber migrantes ou emigrar.

A empatia implica a capacidade do ser humano de se colocar no lugar de outra pessoa, ou seja, no lugar de outra pessoa para entender suas necessidades, problemas, costumes e tradições.

Isto implica que se deve compreender a cultura do país e do povo do qual se deseja fazer parte.

A tolerância, por outro lado, é um valor que implica grande sabedoria e paciência para aceitar aquilo que não pode ser mudado ou contra o qual não é possível lutar, isto significa que mesmo que a cultura do país se choque de alguma forma com a do imigrante, ele deve ser capaz de aceitá-la.

O respeito, finalmente, é um valor que significa não atacar nenhum outro ser humano, pessoa, cultura, tradição ou outro, para que a admiração possa ser mostrada diante deste novo país.

Embora o respeito implique consideração e mesmo submissão por parte daqueles que o praticam, é justo dizer que isso não significa permitir que outros ataquem ou abusem da pessoa, mas que os limites do que é aceitável devem ser respeitados.

4. Consciência cultural

Onde quer que uma pessoa vá, ela deve saber que conhecimento é poder, e o mesmo se aplica à cultura.

O termo “consciência cultural” se refere ao conhecimento cultural e se refere ao entendimento de que existem diferenças entre as práticas, costumes e origens das pessoas, aceitando-as e respeitando-as, de modo que ambas as partes se beneficiem.

Também é possível entender a consciência cultural como a capacidade dos seres humanos de identificar, respeitar e aprender com outras culturas em situações que a mereçam.

A ideia é que sirva como uma estratégia chave a ser utilizada em situações como trabalhar no estrangeiro.

5. Pensamento Crítico

Grupo de amigos com as mãos no ar. Conceito de multicultural, amizade, celebração.

Este termo “pensamento crítico” refere-se à capacidade das pessoas de identificar, avaliar, analisar e interpretar as situações que acontecem ao seu redor.

Esta qualidade tem alguns benefícios para aqueles que a praticam, como por exemplo:

  • Maior clareza e precisão no reconhecimento de problemas ou situações conflituosas.
  • Melhor compreensão e análise, para que eles possam encontrar uma solução eficiente.
  • Melhorias no planeamento e administração das actividades, orientadas para a satisfação das necessidades.

Finalmente, é possível assegurar que o pensamento crítico é uma prática que nos permite conhecer os diferentes pontos de vista, sem fazer julgamentos de valor ou apressar conclusões, mas depois verificar e decidir conscientemente sobre isso.

O pensamento crítico pode ser trabalhado e desenvolvido desde cedo e é normalmente exercido durante a fase escolar, de modo que a preservação desta qualidade significa grandes vantagens no futuro, especialmente para aqueles que desejam trabalhar no exterior.

Todas essas habilidades mencionadas acima funcionam em conjunto e constituem as ferramentas perfeitas para qualquer pessoa que deseje trabalhar no exterior e fazer uma vida naquele país.

Basicamente, são qualidades que podem aumentar as suas chances de sucesso.

Mais sobre Carreira Profissional.