🚀 O que é cultura empreendedora?

Escrito por

Definição de Cultura Empreendedora

Existem várias definições sobre a cultura empresarial. Para facilitar a explicação deste termo complexo, alguns autores dividiram o conceito nas duas palavras que o compõem, “empresarial” e “cultura“.

Definido por Wickham (2006 citado em Browson, 2013), a palavra empreendedor é o adjetivo que é dado para descrever como o empreendedor empreende o que faz. O uso do adjetivo empreendedor demonstra um estilo particular do que os empreendedores fazem.

Por outro lado, Brownson (2013) menciona o termo cultura que é definido como os atributos, valores, crenças e comportamentos nos quais o indivíduo aprende ou adquire de uma geração para outra, e passa através de uma pessoa e grupo para outra. A transferência destes certos atributos, valores, crenças e comportamentos mostram as intenções de fomentar um certo tipo de cultura.

Portanto, a união destes dois termos foi conceitualizada como:

Uma sociedade que valoriza a exposição dos atributos, valores, crenças e comportamentos relacionados aos empreendedores (Brownson, 2013).

As ações diretas da cultura empreendedora enquanto difundem o conjunto de valores, crenças, ideologias, hábitos, práticas, costumes e ações são direcionadas para fomentar o espírito empreendedor e mostrar os benefícios do empreendedorismo na população (Observatorio Nacional del Emprendedor, 2015).

De acordo com a OCDE (2009 conforme citado em Sánchez & Martínez, 2017), o desenvolvimento de uma cultura empresarial leva tempo.

Isso requer esforços entre os atores envolvidos, e particularmente a cultura empresarial deve visar negócios de alto impacto. Onde os principais indicadores para medir a cultura empresarial são a imagem social dos empresários, seu sucesso e impacto, e a motivação para iniciar um negócio (Sánchez & Martínez, 2017).

Desenvolvimento de uma cultura empreendedora

A cultura empreendedora é formada por vários aspectos dentro do ecossistema empresarial.

O empresário tem aspirações que fazem com que sirvam de motor para empreender oprocesso empresarial, para ser adverso contra o risco e ser ambicioso o suficiente para fazer crescer um negócio. Além disso, a sociedade tem suas próprias impressões sobre o empreendedorismo, que também pode influenciar direta ou indiretamente a atividade empreendedora, e se for um caminho de carreira atraente a ser seguido.

Outras percepções que afetam a cultura empresarial são o prestígio que é dado aos empresários, a tolerância e aceitação do fracasso e o número de pessoas que estão considerando ser um empresário.

Quando uma sociedade tem uma melhor percepção do empreendedorismo, há maiores chances de que mais empresários, investidores e organizações queiram assumir o risco de empreender e apoiar empreendedores (Observatorio Nacional del Emprendedor, 2015).

Hofstede (1980 citado em Brownson, 2013) afirma que um indivíduo pode ser abraçado para agir de forma empreendedora dentro de uma organização e em outras áreas da vida quando a pessoa está motivada a encontrar-se a si mesma. Isto mostra que o indivíduo pertencerá a um grupo cultural distinto, uma vez que suas atividades empresariais o diferenciarão dos outros indivíduos.

Os três níveis de uma cultura empreendedora

Kundu (2009 citado em Brownson, 2013) classificou a cultura em três níveis diferentes que contribuem para sua formação, como pode ser visto na figura seguinte.

Levels of constituent of entrepreneurial culture brownson
Níveis de constituintes da cultura empresarial (Brownson, 2013)

O nível invisível

business person work indoors concept

Dois constituintes do nível inconsciente e invisível são os atributos e os valores.

Os atributos empresariais são indicadores-chave naturais e nutridos que mostram pessoas que podem ser transformadas em um empreendedor. Este conjunto de características tem sido reconhecido como um motor para entender e fomentar o empreendedorismo.

A importância dos atributos empreendedores depende de ser um fator crítico para influenciar o indivíduo a empreender e iniciar um negócio. Para incentivar os atributos empresariais, é preciso influenciar o desenvolvimento e a realização de idéias comerciais.

Se for desejado influenciar o número de pessoas que podem ser transformadas em empresário, o foco deve ser feito em seus atributos. Entretanto, o empresário também deve ser nutrido com o treinamento e a experiência adequados para incentivar seus atributos empresariais (Brownson, 2013).

Os valores empresariais são as concepções, que poderiam ser explícitas ou implícitas, e que neste caso são distintivos dos empreendedores, que mostram o desejo de selecionar entre as diferentes linhas de ação.

Estes valores são os motores para a tomada de decisões. Elas são o reflexo da visão consciente do empresário e fazem com que ele se mova para decidir sobre uma ação. Os valores mostram a maneira como o ser humano se comporta.

Para os empresários, os valores não só mostram quais serão as decisões que eles tomarão, mas também mostram como eles se aproximarão de um novo empreendimento.

Como os acadêmicos descobriram, a existência de valores empresariais sobre um indivíduo afeta também a taxa de criação de novas empresas, portanto, para os governos que estão dispostos a aumentar o número de empregos, também deve dar importância para moldar os valores individuais para o empreendedorismo (Brownson, 2013).

Como mencionado por Mourdoukoutas e Papadimitrou (2002 citado em Brownson, 2013), os valores que estão associados ao empreendedorismo são a autonomia, a liberdade de agir independentemente, a inovação, a liberdade de experimentação, a tomada de riscos, a capacidade de tomar iniciativas e a agressividade competitiva.

Por outro lado, apesar da origem cultural do empresário, Morris e Schindehutte’s (2005 citado em Brownson 2013) afirmaram que os empresários compartilham valores ao iniciar um negócio como independência, inovação, honestidade e trabalho duro.

O nível semi-invisível

group of people brainstorming sitting on the

No segundo nível de semi-visível ou semiconsciente, aqui está a mentalidade empreendedora.

A mentalidade empreendedora é a atitude que um empresário responde a um determinado objeto de maneira favorável ou desfavorável com base em uma predisposição aprendida.

As atitudes são os fundamentos para que o comportamento humano seja motivado e se sinta realizado pessoalmente.

As atitudes empreendedoras influenciam e têm sido influenciadas pelas experiências que o indivíduo viveu, e como ele pensa e sente sobre o que passou.

Se indivíduos participaram de programas e políticas governamentais que tentam fomentar o empreendedorismo cultural, sua experiência neste evento pode ter um efeito em sua mentalidade para o empreendedorismo (Brownson, 2013).

O estudo da Hatten e Ruhland sobre a atitude do estudante em relação ao empreendedorismo em um programa do Small Business Institute (1995 citado em Brownson 2013) mostrou que eles têm uma mudança positiva em relação ao empreendedorismo, reforçando-lhes a vontade de se tornarem futuros empreendedores.

Embora esta tenha sido uma amostra de estudantes, diferentes estudos mostraram que os estudantes que participam de diferentes programas empresariais com um plano bem estruturado tendem a ser aprimorados em uma rica cultura empresarial (Kumara & Sahasranam, 2009).

A Plataforma de Hospedagem Gerenciada Ultimateimp

O nível visível

businesswoman presenting to colleagues at a

O nível visível mostra o comportamento empresarial.

O comportamento empresarial é o ato direto do indivíduo para iniciar um novo negócio.

Conforme definido por Williams (2010), o comportamento empresarial é visto como a combinação de ações feitas pelo empresário, que são constantemente ajustadas e definidas para definir a oportunidade até que ela seja posicionada e aceita no mercado.

O resultado desta ação é a criação de um novo negócio.

Referências

Brownson, C. D., 2013. Fostering Entrepreneurial Culture: A Conceptualization. European Journal of Business and Management.

Observatorio Nacional del Emprendedor, 2015. Análisis Transversal del Gasto en Políticas de Apoyo a Emprendedores, MiPYMES.. Ciudad de México: INADEM.

Sánchez, M. & Martínez, P., 2017. Metodología para la Creación de Empresas Basadas en Investigación y Desarrollo Tecnológico, México: Instituto Nacional del Emprendedor.