Carlos-barraza-logo-50

O que é a competência intercultural e porque é importante?

competência intercultural
Escrito por

Quando foi a última vez que fez um conhecido estrangeiro sentir-se em casa, e não estamos necessariamente a referir-nos a tentar fazer dele ou dela um cidadão, mas sim a conhecer verdadeiramente quem ele ou ela é e a dar-lhe o espaço para ser livre de o fazer.
Descubra neste artigo o que é a competência intercultural e porque é que ela é importante, lendo-nos até ao fim.

O que é a competência intercultural?

A competência intercultural refere-se à capacidade que temos de comunicar com pessoas de diferentes países, descrevendo a interacção entre dois ou mais indivíduos onde nenhum está numa ligação superior ao outro, o que favorece a coexistência harmoniosa entre as pessoas envolvidas.

Em muitos casos a comunicação intercultural é realizada com a intenção de melhorar a adaptação social de muitas pessoas. Tem sido evidenciado como representa um aumento na aptidão profissional e, especialmente, na saúde psicológica, uma vez que em alguns casos estas são coisas que ficam em segundo plano.

A competência intercultural tem a capacidade de gerar uma sensação de bem-estar e segurança para aqueles que tomam a decisão de a experimentar. É uma transformação interna produzida quando as competências são adquiridas num novo ambiente cultural com a intenção de se sentir bem e de ser bem recebido por outros.

No mundo globalizado de hoje, pensar-se-ia que a competência intercultural está em todo o lado, quando a verdade é que não são muitas as pessoas que a têm.

Isto torna cada vez mais importante destacar a sua importância e a forma de alcançar este padrão.

Porque é que é importante ser competente inter-culturalmente?

Vivemos num mundo interligado, pelo que a importância de sermos interculturalmente competentes está a tornar-se cada vez mais ameaçadora para aquelas pessoas que parecem ignorar tudo o que não se assemelha necessariamente a quem são.

E isto é um erro que já não pode ser cometido.

Conhecemos os sentimentos

Um breve exemplo é quando conhecemos uma língua estrangeira, aquelas pessoas que realmente a estudam a partir do respeito e do desejo de aprender não só percebem que estão a aprender como a comunicação intercultural funciona com outras pessoas, mas como fazê-lo correctamente.

Por exemplo, pode haver certas expressões que não significam muito para si, mas quando as diz a outras pessoas, podem ter um peso enorme.

Quando compreendemos a língua e as expressões dos outros, apercebemo-nos da importância de ter as capacidades de conhecimento das interacções interculturais, porque compreendemos os seus sentimentos e como se aproximam das mesmas palavras que, para alguns, não fariam qualquer diferença, mas nem sempre têm de significar a mesma coisa.

Criamos uma melhor coexistência

Por exemplo, há culturas onde o vestuário é importante e talvez noutras não seria considerado o mais apropriado para algumas circunstâncias, como no caso de ir trabalhar, por exemplo. E isto é algo que pode trazer muitos problemas.

Quando compreendermos a cultura dos outros, e não só aceitarmos a sua forma de vestir, mas também a sua forma de pensar e respeitar o seu ponto de vista, por muito diferente que seja da nossa, estaremos a melhorar a coexistência. O respeito e a tolerância são a chave para aprender, tomar o positivo e dar espaço ao que sentimos que não contribui para nós.

Enviamos a mensagem certa

Hoje em dia, melhorar a competência intercultural parece mais como uma declaração de aceitação e inclusão. Embora possa não parecer, há muitas pessoas que, devido à sua cultura ou crenças, se sentem inibidas de fazer grandes progressos.

Há muitas pessoas que, de alguma forma, sentem vergonha de ser quem são por causa de preconceitos.

Quando temos a capacidade de compreender outras culturas, respeitá-las e aceitá-las, abrimos o caminho para que aqueles que estão ao nosso lado façam o mesmo, e desta forma perdemos o estigma em relação a certas pessoas.

Podemos elevar os nossos hábitos

Não é segredo que algumas culturas têm hábitos muito mais funcionais do que outras.

E quando temos respeito suficiente para aprendê-los e aplicá-los nas nossas vidas, então percebemos que melhorámos a qualidade de vida que tínhamos antes com práticas que não nos habituámos a crescer.

Por exemplo, muitas empresas são aquelas que se inspiram no comportamento profissional de outras culturas para as adicionar aos seus valores e assim tornar o seu trabalho muito mais óptimo.

E há mesmo muitos programas de desenvolvimento intercultural para reforçar este mesmo ponto.

Como desenvolver a competência intercultural?

Agora que sabe o que é e porque é importante, mostrar-lhe-emos como desenvolver a competência intercultural com quatro pontos que, se os aplicar, lhe permitirão ver o mundo, e aqueles que o habitam, de uma forma diferente, ganhando a oportunidade de aprender com tudo o que é diferente:

Aprender uma nova língua

Aprender uma nova língua rapidamente está sempre na lista de coisas a fazer por aquelas pessoas que querem melhorar profissionalmente (o inglês, por exemplo, é hoje em dia muito procurado nas empresas), ou que são fãs de uma cultura e acham interessante aprender um pouco sobre ela, conhecendo a língua falada.

Seja como for, tem a oportunidade de construir competência intercultural. Recordemos que a cultura não é apenas o que vemos ou fazemos, é também o que dizemos. E quando aprendemos uma nova língua, devemos não só chegar às conversas básicas, mas também às raízes da língua.

Por exemplo, pergunte-se quais são os ditos comuns, ou como se referem normalmente a certas coisas. Descobrir se têm afirmações que se referem a tópicos específicos na sua cultura, ou se existem palavras ou combinações únicas. Pergunte a si mesmo porque se expressam dessa maneira, e porque não tem sido uma maneira diferente.

Viajar para outros países

Muitas pessoas decidem viajar para outros países por causa do típico, e quando pensamos em férias, vêm-nos à mente os lugares mais emblemáticos do mundo, como a Torre Eiffel, por exemplo, ou o Coliseu em Roma, quando há muito mais para ver.

Se tiver a oportunidade de visitar um país, aproveite a oportunidade para aumentar as suas interacções interculturais.

Pesquisar os lugares que são uma referência para a sua cultura e visitá-los, falar com alguém que lá vive, experimentar artesanato, artesanato, canções típicas, vestuário clássico, o estilo de vida que essas pessoas levam.

E, caso vá a lugares emblemáticos que são um clássico entre os turistas, investigue a história real desses lugares.

Apreciá-los de um ponto de vista histórico, e não apenas visual.

Saiba o que tinha de acontecer, e porquê, para estar lá naquele dia.

A experiência no estrangeiro irá enriquecer e ajudar no seu desenvolvimento intercultural.

Viver com estrangeiros

Muitas pessoas recusam-se a viver com estrangeiros, e é precisamente porque algumas culturas são tão diferentes daquela com que crescemos que quando não somos empáticos, ou tolerantes, podemos querer repelir estas pessoas e ficar no que é seguro, com o que sabemos, e isto é um erro grave.

Um dos pontos mais importantes sobre como desenvolver a competência intercultural tem a ver não só com o que podemos ler ou ser informados, mas também com o que podemos experimentar.

E por vezes não basta ir a um lugar, temos de viver com pessoas desse lugar para entrar nas profundezas das interacções interculturais.

Basta observar um estrangeiro de perto durante uma semana para perceber que ele fará as coisas de forma diferente de si, verá as coisas de outro ponto de vista, e talvez a sua forma de reagir a certas coisas seja também diferente, e é isso que é enriquecedor na matéria.

Tolerância e respeito pelas diferenças culturais

Este é um ponto que, se quiser, pode ser misturado com o anterior.

E é quando permitimos que todas essas diferenças nos cheguem da tolerância e respeito que estaremos verdadeiramente a aprender sobre uma cultura baseada noutra pessoa.

Não pode esperar saber como desenvolver a competência intercultural se não tiver tolerância ou respeito pela vida dos outros. É que mesmo quando há algo que sente que vai contra os seus princípios, valores, ou cultura, deve ter maturidade suficiente para o aceitar e compreender que é a forma de ser de outra pessoa.

Muitas pessoas estudam outras culturas com a intenção de lhes poder tirar o melhor, e isso é uma coisa completamente boa. Há sempre algo que podemos tirar dos outros e aplicá-lo na nossa vida para o melhorar, mas temos de compreender que nem sempre tem de ser assim.

Por vezes só temos de observar e estudar para compreender, o que faz parte de importantes competências de conhecimento na comunicação intercultural.

Quando não vamos necessariamente aplicar uma crença ou comportamento na nossa vida quotidiana, basta compreendê-lo, respeitá-lo e dar-lhe o seu espaço.

Ninguém vai gostar de ser julgado ou condenado pelo que aprendeu a ser.

Mais sobre Desenvolvimento Profissional
Tabela de Conteúdos